Aqui Notícias

Jornal Folha do Caparaó

Política

16.08.2012

 

Candidatos avaliam resultado da pesquisa em Anchieta

Leandro Moreira

 

Os dois candidatos a prefeito de Anchieta relataram à reportagem as suas avaliações do resultado da pesquisa eleitoral divulgada ontem pelo Aqui Notícias. Os concorrentes à prefeitura litorânea são Renato Lorencini (PSB), apoiado pelo prefeito Edival Petri (PSDB), e Marquinhos (PTB).

 

A pesquisa foi realizada pelo Ipeses, sob encomenda do Grupo Folha do Caparaó. Os dados foram encaminhados à Justiça Eleitoral, a conferir pelo protocolo de nº ES-00033/2012. A margem de erro é de 5% para mais ou para menos, com índice de confiança de 95%.

 

“Número nos anima a continuar”

Renato Lorencini (PSB), candidato a prefeito de Anchieta, disse à reportagem que os números da pesquisa divulgada ontem pelo Aqui Notícias são animadores. O socialista da coligação ‘Pra Frente Anchieta” é o nome apoiado pelo prefeito Edival Petri (PSDB).

 

“Estou muito feliz com os números. Temos apenas um mês fazendo campanha e a nossa candidatura foi lançada há uma semana. Tem gente que está neste trabalho há um ano e meio”, disse, referindo-se ao seu adversário Marquinhos (PTB).

 


Renato acrescentou que está satisfeito com a acolhida de seu nome pela população, que, segundo ele, quer a continuidade das ações iniciadas pela administração do prefeito Edival Petri.

 

“Recebo este resultado com muita humildade. Estamos indo de casa em casa; quando pode, o prefeito participa conosco. Dando prosseguimento a este trabalho, vamos crescer ainda mais nesses números”, acredita.

 

Na pesquisa, Renato apresentou rejeição superior a de Marquinhos, sendo 19,4% contra 13,6%. Ele atribui este fator à falta de conhecimento e ao eleitorado de seu adversário. “A rejeição é automática. Naturalmente, as pessoas que votam nele irão me rejeitar; e também têm aquelas que não me conhecem. Mas, a diferença é pequena e as pessoas estão nos conhecendo”, avaliou o candidato.

 

Marquinhos acredita que está melhor que os números divulgados

O candidato de oposição Marquinhos (PTB) avaliou o resultado da pesquisa como favorável à sua campanha e acredita que a sua situação na corrida eleitoral está melhor do que a realidade trazida pela pesquisa divulgada nesse periódico.

 


“Na minha avaliação, a nossa situação está favorável. Afinal, a nossa candidatura vai se consolidar somente amanhã (hoje), com o seu lançamento. Ou seja, ainda não estamos visualmente nas ruas e já coseguimos ultrapassar o nosso adversário. Estamos crescendo”, disse.

 

Marquinhos informou que o lançamento de sua candidatura e a inauguração do comitê acontece hoje, às 18h00, na praça São Pedro, onde estarão presentes o senador Ricardo Ferraço (PMDB), o deputado federal Manato (PDT) e demais autoridades.

 

“Pela a conversa e a acolhida que temos com a população líderes comunitários, avaliamos que a nossa situação é melhor do que a pesquisa diagnosticou. Acho que estamos muito além”, divergiu.

 

Segundo o petebista, a sua campanha pode ganhar o apoio do ex-governador Paulo Hartung (PMDB). “Ele ainda não se manifestou definitivamente, mas está muito simpático à nossa campanha”, antecipou.

 

Análise

 

Leandro Moreira

 

Todas as intempéries e os diversos quilômetros de caminhadas as quais se submetem os políticos que tentam mandato têm que ser também um enfrentamento do prefeito Edival Petri (PSDB) nas eleições deste ano. E essa dedicação constante é necessária para fazer o seu sucessor no município, na pessoa de Renato Lorencini (PSB), já que o pleito segue empatado.

 

De acordo com a pesquisa eleitoral realizada pelo Instituto Ipeses, por encomenda do jornal Aqui Notícias, o candidato da oposição Marquinhos (PTB) e Lorencini estão no mesmo patamar, no que diz respeito às intenções de voto dos eleitores anchietenses, a considerar a margem de erro de 5%.

 

A aprovação popular do prefeito Edival Petri é alta na cidade, e, sem dúvida, ele venceria estas eleições, caso fosse o candidato. Mas, não é o caso. Como consta na pesquisa, além do empate técnico, Renato carrega consigo uma rejeição superior a de Marquinhos, que tem mais estrada.

 

Cabe destacar que Renato chefiou a pasta de Infraestrutura na gestão de Petri, coordenando investimentos da ordem de R$ 100 milhões. Dois fatores podem justificar a sua rejeição: primeiro, o pouco tempo para se tornar conhecido no município – o que demonstra que o sucessor não foi escolhido em tempo hábil -; segundo, a fixação da rejeição do próprio governo.

 

Porém, o caminho se mostra livre para os dois candidatos, pois a pesquisa diagnosticou que quase a metade (43,9%) dos 367 entrevistados não rejeita nenhum dos dois. Porém, existe um sério agravante para o petebista: a influência do prefeito na decisão de voto dos eleitores de Anchieta. A pesquisa apontou que 50,8% votam em um candidato apoiado por Edival.

 

Como registrado no início do texto, Edival tem que caminhar e pedir voto como se fosse ele o candidato, no que diz respeito ao empenho. A apresentação de Renato e a associação da imagem do prefeito ao candidato podem ser o caminho para abrir uma frente de vantagem e reduzir a rejeição.

 

É possível flagrar o envolvimento do tucano na campanha de Lorencini. Afinal, chegar ao segundo mandato com o governo aprovado por mais de 80% da população e com o poder de transferir a metade dos votos não é um estágio alcançado por muitos políticos, por isso, é preciso anular as chances de queda.

 

 

Mais títulos para a coleção

Esportes

Mais títulos para a coleção

Hartung tem agenda em Cachoeiro

Política

Hartung tem agenda em Cachoeiro

Casagrande participa de pedalaço

Política

Casagrande participa de pedalaço

Povo vai cuidar dos córregos

Cidades

Povo vai cuidar dos córregos

LUSB no Sul-Americano no RS

Esportes

LUSB no Sul-Americano no RS

Edição 940

Edição 1112

Revista Desenvolvimento

Enquete Folha Caparaó

Em sua opinião, as manifestações do ano passado irão refletir nas urnas este ano? ?

© 2013 Aqui ES - Jornal Folha do Caparaó. Todos os direitos reservados.

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.