Aqui Notícias

Jornal Folha do Caparaó

Política

04.01.2012

 

Comissão vai decidir cassação de prefeito

Leandro Moreira

 

Certamente o ano novo não iniciou conforme queria o prefeito de Bom Jesus do Norte, Adson Azevedo Salim (PSDB). Alvo de Comissão Processante (CP) criada pela Câmara Municipal, por suposto superfaturamento no carnaval de 2010, Adson teve a sua defesa ignorada pelos vereadores, que estão focados em dar continuidade às investigações. Dentro de 90 dias, o relatório será votado, assim como a cassação ou não do chefe do executivo.

 


 


Também é alvo da CP o vice-prefeito Pedro Chaves (PMDB), que foi presidente da comissão de festa durante o carnaval denunciado. De acordo com o presidente da CP, vereador Toninho Gualhano (PT), os indícios de superfaturamento são fortes.

 

A prefeitura firmou convênio com o Ministério de Turismo, em 2009, no valor de R$ 300 mil para a realização do carnaval do ano seguinte; R$ 20 mil foi contrapartida. No entanto, conforme Toninho, todos os shows contratados foram superfaturados.

 

“Há um Dj que cobrou R$ 480,00 em festa particular no município e na planilha do carnaval o valor estava em R$ 17,5 mil, mais de 600%”, denunciou. Toninho acrescentou que ainda foram gastos mais R$ 200 mil de recursos próprios e que shows que valiam R$ 8 mil saíram por R$ 58 mil.

 

Comissão

A Comissão Processante foi instaurada em 15 de dezembro, após proposta apresentada por um eleitor do município, segundo Toninho. “Antes disso, vínhamos pedindo informações referentes ao carnaval de 2010, mas a prefeitura nos negava e dizia que devia prestar contas somente ao Ministério de Turismo”, contou o presidente da CP.

 

Após a abertura da comissão, o prefeito e vice foram intimados dentro dos cinco dias seguintes. A partir daí, foram concedidos 10 dias para apresentação da defesa prévia. Nesta segunda-feira, os dois apresentaram a defesa, que poderia arquivar o caso ou dar continuidade. Todos os vereadores decidiram por levar até o fim a averiguação.

 

Investigação resulta em exoneração

O vice-prefeito Pedro Chaves foi exonerado da Secretaria de Planejamento, Habitação, Trabalho, Desenvolvimento Rural e Social na segunda-feira, onde atuou por três anos. O motivo, segundo ele, foi não ter aceitado a defesa que o procurador do município fez para ele apresentar à Comissão Processante, a pedido do prefeito Adson.

 

“Minha saída foi porque o prefeito não ficou satisfeito por eu não ter aceito a defesa que o procurador do município tinha feito para mim, a mando dele. Redigi a defesa conforme minha consciência e de acordo com a verdade dos fatos, não imputei culpa indevida a ninguém, mas também não assumi culpa de coisas que não fiz e não participei”.

 

Defesa

De acordo com Pedro, o convênio com o Ministério do Turismo foi firmado em 2009, via emenda parlamentar do deputado federal Carlos Manato (PDT). Para obter o recurso, a prefeitura apresentou planilha com os nomes dos artistas pretendidos para se apresentarem no carnaval de 2010.

 

“Eu assumi a presidência da comissão de festa em janeiro e vi que a planilha, com o dinheiro do ministério, era só para o pagamento dos artistas, não havia recursos para a estrutura do evento, como segurança, palco, banheiros químicos, som, iluminação etc”, explicou o vice-prefeito.

 

Chavez informou que utilizou pouco mais de R$ 80 mil, do caixa da prefeitura, para contratar a estrutura necessária. “Também contratei artistas da terra, já que na planilha a banda mais próxima era de Vitória. Como presidente da comissão de festa, tive a função de executar a planilha; a confecção dela é do prefeito”, desviou.

 

A reportagem ligou para a prefeitura no intuito de ouvir a versão do prefeito. O chefe de gabinete disse que Adson não se encontrava e que retornaria a ligação assim que ele chegasse à sede da administração. Mas, não houve retorno por parte da prefeitura.

 

PLANILHA DE CUSTO DO CARNAVAL DE 2010

Despesa com artistas (Fonte: Vice-Prefeito)

 

Declaro que os valores abaixo já estão incluso             todas as despesas e estruturas de acordo com as exigências dos artistas, como transportes hospedagens, alimentação, produção e impostos.

 

*DJ Mario Filho = {17.500R$}

*DJ Américo Neto = {15.000R$}

*Banda Dose Dupla ={24.000R$}

*Rodrigo S. Barão Vermelho={58.000R$}

*Band. Calypso do para ={60.000R$}

*Band. Muvukera ={23.000R$}

*Band.Akarajé ={17.500R$}

*Band.Swing baiano ={27.000R$}

*Band.Dose Mais ={22.000R$}

*Dupla César & Alessandro={51.000R$}

*Serviço de Sonorização ={5.000R$}

 

 

Auto da Paixão em Mimoso

Cultura

Auto da Paixão em Mimoso

Cuidados na hora de viajar

Geral

Cuidados na hora de viajar

Violência cresceu este ano

Segurança

Violência cresceu este ano

Segurança tem novo conselho

Geral

Segurança tem novo conselho

Coluna “No Cinema”

Cultura

Coluna “No Cinema”

Edição 876

Edição 1052

Especial de Natal

Enquete Folha Caparaó

Você acredita que a maneira de fazer política no Brasil vai mudar depois dos protestos ?

© 2013 Aqui ES - Jornal Folha do Caparaó. Todos os direitos reservados.

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.